terça-feira, 16 de outubro de 2018

Coisas especialmente mágicas (que me acontecem)

Este fim de semana tive comigo uma amiga polaca, que veio visitar-me por 5 dias.
Todos os meus amigos perguntaram:

"Quando se conheceram? E em que circunstâncias?"

Para ser franca a resposta é um pouco estranha. Conhecemo-nos há 6 anos, na altura em que eu dançava folclore e viajava pelo mundo em digressão. Até escrevi dois posts sobre essa viagem.
A Emília foi a nossa guia durante o festival. E durante aqueles 5 dias dormiu connosco na escola, comeu connosco, dançou, bebeu... enfim. Tudo. Na altura gostamos muito uma da outra, embora tivéssemos quase 7 anos de diferença.
Durante os primeiros anos não falamos muito, mas no últimos 2 fomos mantendo o contacto. E a verdade é que estes 5 dias foram como se tivesse recebido uma amiga que conheço desde sempre.
Diz ela que somos "twin sisters". 

2012 vs. 2018

Sexta feira foi dia de palmilhar a cidade.
Começamos no Cais do Sodré, subimos ao Camões, passamos pelo Chiado, descemos ao Rossio, Praça da Figueira, Hospital de São José (que eu precisava de lá ir entregar uma receita), Martim Moniz, apanhar o 28, sair nas Portas do Sol, descer até Santa Apolónia para comer a melhor piza de Lisboa no Casanova, apanhar o metro para a Praça do Comércio, subir o Arco da Rua Augusta, ir à Ribeira das Naus, chegar de novo ao Cais do Sodré, ver o Mercado da Ribeira, subir a Bica a pé, ir beber uma coca-cola ao Park (porque estávamos ressacadas da nossa pijama party do dia anterior), subir o Bairro Alto, curvar para o Miradouro de são Pedro de Alcântara, descer a pé pelo Elevador da Glória, ir pela Baixa, subir pelos armazéns do Chiado porque queríamos um gelado do Santini.



No preciso momento em que saíamos dos Armazéns do Chiado e atravessávamos a rua para entrar na Santini, os meus olhos cruzaram-se com um rapaz, que vinha no sentido oposto, lindo de morte, com um sorriso rasgado para mim, que me hipnotizou durante una 5 segundos. Foi a coisa mais engraçada e espontânea que me aconteceu nos últimos tempos. Não tive reacção. Sorri apenas. Podia ter dito "olá", mas só consegui retribuir o olhar e o sorriso.
Depois de ele passar, saiu-me uma gargalhada em uníssono com a da Emília.



Que boa vibe. 
São precisas mais pessoas destas para animar os meus dias.

1 comentário:

Love Adventure Happiness disse...

Devias era ter dito olá, és solteiro? e se sim pedias o número :p