sábado, 14 de outubro de 2017

Bush Bush Bush


Os Bush fizeram parte da minha adolescência, desde o Everything Zen , ao conhecidíssimo Swallowed ou ao mais recente The People That We Love. Marcaram-me e durante muito tempo ocuparam (ou ocupam) o meu top 5 de bandas. Corria o ano de 2002, na flor dos meus 16 anos fui vê-los ao Festival de Vilar de Mouros. O Gavin Rossdale passou diretamente das portas do meu armário para um palco em frente aos meus olhos. Lembro-me que gravei algumas músicas no meu telemóvel da altura, com a funcionalidade "gravação audio". A malta mais nova já nem sabe o que é um telemóvel sem imagem... só com pixeis a preto e branco...
Adiante.
Há uns 2 meses passei em frente ao Coliseu dos Recreios e vi um cartaz a anunciar que vinham cá.
Nem sequer ponderei comprar, mas fiquei a pensar naquilo. Gostava de ir.
Como o Mr. me faz as vontades todas (sou altamente mimada às custas dele), há 2 semanas apareceu-me com bilhetes comprados para o concerto.

O concerto foi na quarta feira.
Como a sala do coliseu não é muito grande e também não estava a abarrotar, deu para ficarmos bem lá à frente, pra'i a uns 10/15m do palco. Adoro concertos no coliseu pelo facto de o piso ser a descer e facilitar imenso a visualização. Além disso, sou assim para o alta e vi o concerto todo sem ninguém a tapar-me a vista.
Dancei, cantei, fiquei babadíssima com o Gavin. Continua lindo de morrer (embora já não ande pelas portas do meu armário), jeitosão e enérgico. Até fui pesquisar a idade do homem. 51 anos minha gente! 51 e continua assim... não hei-de eu estar velha...


A certa altura o Gavin sai do palco e decide começar a andar pelo meio da multidão. Literalmente no meio da multidão, com os seguranças sempre atrás dele a garantir que ninguém amarrava o homem. 
Eu sou tímida.
O Mr. só me dizia "vamos! vamos tentar chegar a ele!" Não precisamos de nos mexer muito porque ele acabou por passar mesmo ao nosso lado. 
Tive o meu momento teenager. Estiquei o braço e agarrei-lhe um bícep, todo suado.

Eu agarrei o bícep do Gavin!

Os momentos seguintes fiquei a assimilar o que tinha acontecido. Tinha estado a menos de 1m dele e tinha-lhe posto a mão. Ao menos não chorei como um rapaz que estava atrás de mim, com uns 30 anos e com lágrimas a cair... A mim só me deu vontade de rir dele.


E depois destas fotos que tiramos deixo-vos a Glycerine tocada quase toda num solo. Linda de morrer.


E a The People That We Love, com pouca qualidade mas que mostra o quanto ele dançou. By the way, descobri que temos uma forma de dançar muito semelhante.

1 comentário:

i'mtalkingwithmyself disse...

hahaha... que coisa mais linda e mais adolescente!