segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Particularidades de uma rapariga comum

Em vésperas de comemorar um ano com Mr.Pannacotta (pois é já passou quase um ano!!) perguntei-lhe uma destas noites que passou, se havia alguma particularidade minha que gostasse muito, que não sabia que eu tinha/era no início e que só se tenha apercebido ao longo do tempo.

Ficou a pensar um bocadinho. O Mr. não é de grandes desenvolvimentos em respostas, achei que nem ia dizer nada (até porque se a pergunta fosse ao contrário não sei se saberia responder...)
Acabou por dizer:


"Sim, há. É o teu sentido de humor."

"Não achavas que era engraçada e divertida?"

"É o teu humor em dois sentidos. Não achava que tinhas tanto sentido de humor, é verdade, mas é também o teu bom humor constante, a tua boa disposição. É muito diferente das outras namoradas que tive, tu jogas sempre para a frente, vamos e depois vemos o que acontece. É a tua capacidade de lidar com as coisas que me fascina.
Tenho andado a pensar que: ou és muito inconsciente ou então és uma rapariga com uma força enorme. "



Só não me viu a derreter porque estava escuro.

domingo, 25 de setembro de 2016

Reflexões de fim de semana

Esta semana voltei ao ginásio.
Não sei se foi disso, mas o meu humor (não é só humor...) cresceu a 200%.
Fazer o que se gosta, realmente, alivia o corpo e a mente.
Já não estou 10h por dia a pensar no raio do gene. Se calhar tenho pensado só meia horinha diária. Acho que já assimilei as coisas. O que tiver que ser será e vou esperar pelas probabilidades que os médicos que vão dar, para tomar decisões.

É mais que certo que vou subir um número de soutien ahahaha.
Outra coisa boa disto é saber que o verme aparecer por causa do gene e não por fatores externos, tipo alimentação, hábitos, etc.... fiquei mais confiante com o meu estilo de vida... andava a duvidar um pouco.


Deixo-vos a minha semana partilhada no IG.

2ª feira a acabar bem


marmitas para lanche (grego natural com frutos vermelhos)

3ª feira no sítio do costume

6ª feira com mega cabelo que já não me deixa correr. Improvisos. 6km.

Desastre em pessoa

Depois do desastre ficou prontinho. Sábado a acordar tarde.

Almoço vegetariano cous-cous com todos ihihih

Sábado - 4º da semana (super focado, bem sei)

Domingo - peq. almoço a provar arroz tufado. Diria que são tipo nuvenzinhas...


Muito obrigada a toda a gente, pelos comentários que me deixaram no último post, pela energia positiva contagiante que me passaram, por gostarem de mim sem sequer me conhecerem.  E por partilharem comigo a minha angústia.

É por estas coisas que o blog se vai mantendo.
Eu gosto dele e de vocês.
Um beijo.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Regresso dos fantasmas

E quando eu já não me lembrava dele e tinha o meu pensamento projectado no futuro, nas próximas férias com Mr. Pannacotta,  nos meus progressos no ginásio,  nos novos desafios profissionais, nos bebés que chegaram, and so on, and so on, eis que a vida me volta a pregar uma rasteira, para me relembrar que houve um pequeno verme e que esse capítulo ainda não está encerrado.


Faz hoje uma semana que recebi o resultado dos meus testes genéticos.  Tinha metido na cabeça que iam dar negativo,  só porque todas as pessoas com quem contactei durante os últimos dois anos tiveram esse resultado.
Mas não.  
O meu mar de rosas cancerígeno não podia continuar e a análise deu positiva.

Mutaçāo genetica do BRCA1.

Podia ser do BRCA2, mas não,  tinha que ser o mais grave.

Tenho 30 anos e tenho ouvido os médicos falar em cirurgia profilatica. Parece uma coisa boa, no fundo até pode ser, mas não,  não é.  Ter 30 anos e ter que pensar em retirar mamas e ovários,  com TUDO o que isso implica é uma coisa bem difícil.  Difícil de imaginar, até.
Claro que o meu cérebro inventor já imaginou uma dúzia de cenários possíveis.  Sinceramente não sei se algum deles será mesmo possível,  mas não custa apenas imaginar.


Para quem  não sabe mesmo o que isto quer dizer,  é deitar um olhinho aqui.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Bebés a caminho IV

E como não há 3 sem 4............




Ou trabalho muito para o ano, ou então vou à falência.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

A viagem e o casamento

Férias, casamento, amigas, roadtrip, sicilia, sol, mediterrâneo, aeroportos, saudades, barriga cheia, natureza...

A última semana foi cheia destas coisas. Quem segue no IG já viu algumas das imagens, mas agora fica o registo alargado. Há muito que tinha esta viagem marcada, pois uma das minhas amigas italianas resolvera casar. O desafio era ir ter a Catania, na Sicília, encontrar-me com a outra amiga que vinha de Pádua, passar 2 dias na casa da noiva, incluindo o casamento e depois seguir de carro pela Sicília fora.
Depois de perceber que Catania é uma cidade pequena e consequentemente tem um aeroporto pequeno, com poucas ligações, perdi uns dias a tentar fazer a combinação perfeita de voos, uma vez que nos motores de busca as opções eram muito caras e com escalas de 1 dia pelo meio.

Resultado: Porto - Madrid - Catania e Catania - Paris - Porto.



Há 9 dias aterrava em Catania, com o rabo quadrado das horas de escala em Madrid, mas com um sorriso enorme ao ver um cartaz com o diminutivo do meu nome à saída da porta. A minha amiga! Com quem vivi um ano e com quem já passei momentos inesquecíveis. Um abraço gigante e demorado, com a maior força que consegui.

Pegamos no carro e rumamos a Ragusa, cidade da noiva. É tradição siciliana na noite antes do casamento o noivo fazer uma serenata à noiva e para ela estar em casa à hora combinada, mentimos a pedido de uma amiga da noiva e dissemos que o meu voo se tinha atrasado e só chegava as 22h. Visitamos Ibla, o centro da cidade, até ser hora de nos juntarmos aos amigos e assistirmos à serenata (claro que começamos logo com vinho siciliano, focaccia e arancino).
No final da serenata fizemos surpresa ao aparecermos à frente da noiva. Eu chorei. Ela chorou. E depois rimos todos com beijos e abraços.


Ibla - Ragusa


O casamento foi diferente do que eu imaginava. Talvez por ter sido numa 2a feira e toda a gente trabalhar no dia seguinte, não houve baile e terminou cedo. 
Depois da cerimónia na igreja, rumamos a Villa Fegotto para o copo de água. Típica Villa italiana tal como aprendi em história da arquitetura no 4º ano da faculdade. Havia apenas duas mesas corridas para os mais velhos e para nós, os mais novos, fardos de palha e bancos corridos. Era suposto ser um jantar volante, servido em diferentes espaços da Villa, sempre no exterior. De acordo com as minhas expetativas, quando chegamos aos pratos principais eu já estava pronta para rebolar de tantos antipasti (entradas). 

O facto de ser a única estrangeira e não falar italiano não me dificultou a vida, pois posso dizer que entendo 85% das coisas que me dizem (pois vivi um ano com elas as duas) e os restantes 15% tiro pelo contexto. Desta vez, acho que mais um mês e iria conseguir dizer frases com mais de 6 palavras. 
Além disso as pessoas do meu fardo de palha foram escolhidas a dedo, pois todas já tinham vivido, ainda que por pouco tempo, em Portugal ou Espanha, o que ajudou na conversação.











A parte mais engraçada (diferente do que estou acostumada nos casamentos portugueses) é que os amigos preparam jogos para os noivos, com recompensas caso corra bem.
Deu para rir muito! E para ter ideias para os próximos casamentos que por cá haja.

O resto da viagem virá assim que tenha um tempinho.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Não há gente como a do Norte

Ontem voei para o Porto, vinda das minhas férias. Por causa disso, hoje estou a viajar de autocarro para Lisboa.

Chego ao balcão para comprar bilhete, peço um bilhete para Lisboa e a senhora pergunta:
É só bilhete de ida?

É sim, já estou rendida aos mouros - respondi eu com a minha pronúncia do Norte.

Cartão jovem ou de estudante, tem?

Ri-me. Disse-lhe que não, que já tinha quase 31...

Não faz mal! A gente depois dos 30 começa a pagar tudo, não é? Eu vou-lhe fazer na mesma o preço de estudante.


Esta boa disposição logo pela manhã, uma simpatia maior ainda. O Centro Sul que me desculpe, mas nisto o povo do Norte é muito bom!



Até ja linda Lisboa.