quarta-feira, 27 de abril de 2016

Fim de semana campestre


Depois de desmarcado o fim de semana prolongado no Algarve com amigos, achei que ia mesmo ficar por Lisboa, neste 25 de abril.
Tanto praguejei que Mr. Pannacotta acabou por tratar do assunto.
Carro dele, eu a conduzir, lá fomos nós, eu sem saber para onde.


Fomos seguindo em direção a Setúbal, depois Évora, depois Portalegre e eis que chegamos ao destino final: Marvão. Já lá tinha estado em miúda, mas não me lembrava de rigorosamente nada, para além do facto de ter um castelo.
Estacionei o carro, tiramos as malas e fomos recebidos na Trainspot de uma forma tão amigável e carinhosa, que de repente achei que Mr. Pannacotta já conhecia a Lina. Mas não, tinha falado com ela apenas por telefone. Ainda não era hora de fazer check-in, mas como o quarto estava pronto pusemos logo lá as malas. 
De uma antiga estação surgiu este alojamento local, de uma forma muito descontraída e bonita ao mesmo tempo. 







A Lina deu-nos umas dicas sobre o que visitar e sítios para comer e lá fomos nós à descoberta. 
O plano era ver Castelo de Vide, almoçar lá no Restaurante a Confraria e fazer uma degustação de vários pratos, fazer o roteiro judaico, seguir para Marvão, ver o por do sol no Castelo e descer à Portagem para jantar na churrasqueira O Sever.



Castelo de Vide:



Marvão:


Ginjinha local para finalizar o jantar

Acordamos na 2ª e eu ainda não sabia o que íamos fazer.
Sabia que era suposto vestir roupa confortável... pensei que seria uma caminha por trilhos... e vai daí levei ténis e leggings de ginásio. Mas, estava redondamente enganada!
Tomámos o pequeno almoço na Trainspot, à pressa e voamos para Ramila.


Afinal o que me esperava era um passeio a cavalo... eu que tenho pavor a animais...
Chegamos à Caballos de Marvão, e fomos recebidos pela Sara e pelo seu pai, o José, super super simpáticos. Puseram-nos logo à vontade.
Éramos 6 pessoas, todos principiantes.
Subimos montes, descemos riachos, trotamos, galopamos (mesmo a sério, estava a ver que voava da minha égua, a Gitana). Foram mais de duas horas de trilhos a cavalo. 
Paisagens lindas de morrer, o medo ficou em casa, controlei bem a Gitana, e ela portou-se muito bem. Não sabia que o pelo dos cavalos era fofo.
Adorei a experiência e aconselho vivamente.


1. Coisa mais linda (eu, a namorada)
2. A minha Gitana e o meu cabelo vermelho


Momento: como é que eu subo? Bendito ginásio!


No fim do passeio, o pessoal do Caballos de Marvão serviu queijos, presunto, vinho e cervejas. Ficamos em amena cavaqueira por algum tempo.
Chegamos à Trainspot quase às 14h... Ainda fomos tomar um duche e saímos rumo a Lisboa.
Decidimos passar por Évora, para ver a Diana, ou o templo dela e pesticar qualquer coisinha.
Graças à internet descobrimos um pátio muito, muito giro, com um bar de petiscos.






19h - hora de voltar.
Custa, mas tem que ser.

Foi a viagem das 1ªs vezes.
Primeira viagem a dois.
Primeira vez a andar de cavalo.
Primeiros 6 meses.
Primeira vez que ouvi:

"Queres namorar comigo?"

"Quero. Mas já namoro, tonto..."




(post sobre Amesterdão em construção...)

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Música desta manhã


Coffee in the morning
I don't wanna wake you
I just wanna watch you sleep
It's the smell of your hair
And it's the way that we feel
I've never felt comfortable like this


Boa sexta feira!
A minha começou muito bem.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Coincidências improváveis

Chego à conclusão que a mim me continuam a acontecer muitas coisas estranhas.
Hoje, fui com Mr. Pannacotta tomar pequeno almoço a uma pastelaria perto da casa dele.
A casa dele fica do lado de lá, a que eu chamo deserto.
Há quem lhe chame margem sul.
Entrei, sentei-me. Olhei em volta.
De repente, acho que já lá tinha estado...
Lembrei-me subitamente deste dia, que por acaso foi em abril também...
Perguntei a Mr. Pannacotta:

"Aqui não vendem bolos gigantes?"
Respondeu-me que não. 
Mas eu olhei para a montra e vi um queque de noz gigante, como eu tinha comido naquele dia.
Voltei a tentar:

"Aqui não vendem umas bolas de carne que estão em tabuleiros e se manda cortar?"
Voltou-me a responder que não.
Mas eu não fiquei convencida e tinha quase a certeza que era o mesmo sítio, pois era num bairro habitacional sem nada de especial em redor.

"Se calhar estás a confundir com uma em Almada, na avenida principal." disse-me ele.
Mas eu tinha a certeza que era num bairro assim...


Chego ao escritório e mando mensagem ao Peter Pan a perguntar o nome da pastelaria.
Fui a uma pastelaria perdida algures no deserto.
E é a mesma.
Só a mim.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Baby steps

Ao fim de quase 6 meses (a sério que já lá vão 6 meses???) recebi um convite especial. 
As imagens falam por si...


Agora vai ficar toda a gente a pensar, mas porque raio demorou o homem tanto tempo para me levar a casa dele? Tens as suas razões, eu também tinha as minhas e não interessa para nada. Já está superadissimo! Prova disso é eu estar a atravessar a ponte 25 de abril neste momento...

A piada disto foi ter recebido no dia seguinte a la ter ficado esta imagem: 


Meu subconsciente encarrega-se marcar o território...

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Peter pan, peter pan, o que é feito de ti?

Antes de mais interessa ressalvar que este post é muito menos interessante do que o que possam julgar.

Fui almoçar com o Peter Pan. 
Não houve borboletas, azia ou nós no estômago. 
Não posso negar que estava ligeiramente nervosa... Que estava.

Para começar e para me provar que as pessoas raramente mudam para melhor, fiquei 25 minutos plantada à espera de sua excelência. Não que faça de propósito, mas porque continua na roda viva de vida que costumava ter. Bom pra ele. 
Durante 80% do tempo do almoço fui eu a falar. Contei da casa nova, do escritório novo, da viagem a Nova Iorque e Toronto, da viagem a Amesterdão, do casório da minha irmã, do bebé da minha prima, da próxima viagem que estou a planear... Enfim, imensas novidades que ele quis saber.
Quanto a ele, tudo na mesma como a lesma. E eu senti-me bem com isso. 


Sobre a história das pulseiras, diz que contado por mim parece realmente estranho...



"Há uma semana vi os teus amigos todos no incógnito (bar)"- disse-me.

"Viste? Então ainda bem que fui para casa, caso contrário teria sido um pouco chato..." - respondi eu.

E ficamos assim. 
Eu não perguntei se já tem alguém, ele não me perguntou a mim.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Música com resposta

Eu mandei:

E recebi como resposta:



p.s. - Preciso de tempo, alguém dá, vende ou troca?

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Coisas do demo

Ontem recebi esta mensagem de um número que não tinha na minha lista:

"Parabéns L. Um beijinho enorme e cheio de carinho de todos cá de casa. Gostamos muito, muito de ti! João, Dina, Mariana e Jéssica."

Era meia noite e meia. 
Li a mensagem umas 4 vezes até perceber de quem era e o que era.
My god! 
Era o meu 1º namorado, que ficou a odiar-me para todo o sempre, com alguma razão, claro está... mais a mulher e as duas filhas. A mandar mensagem a outra L. que faz anos hoje (acabei de confirmar no FB).
Respondi à mensagem já sabendo de antemão que nunca na vida iria obter resposta.

"Olá João, acho que te enganaste na L.! Um beijinho de parabéns para voces pela bebé nova!"



As coisas estranhas acontecem-me todas...


quarta-feira, 6 de abril de 2016

Um gesto vale mais que mil palavras

Há 2 dias Mr. pannacotta ficou, por ironia do destino, com uma das minhas chaves  de casa...
Ontem achei algumas coisas estranhas, algumas perguntas não habituais... 

"Estou a sincronizar as minhas agendas. Qual é o código da tua porta, para memorizar?"
 "Vais ao ginásio?"
 "Já é tarde e ainda é dia, vais chegar a casa com dia?"

Uma mulher gosta de imaginar coisas, mas a maior parte das vezes é mesmo só a sua cabeça a fazer filmes.




Não foi o caso.






segunda-feira, 4 de abril de 2016

Ainda estou em choque.

Mr. Pannacotta cortou a barba.


A mim, parece-me que andei a beijar outra pessoa...