quinta-feira, 31 de julho de 2014

Vizinhança pouco simpática?

1ª noite na casa nova (que tem um elevador com grade, daqueles que só anda se a grade for fechada...)


Por acaso, achávamos que só moravamos nós no prédio...

p.s. - adoro pessoas que dão erros... subiu na minha consideração.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Mais uma, tá?


E eu que já estava Pro em dar a minha piquinha de caneta, às 22h, todos os dias, tinham logo de me alterar os planos e juntar mais outra piquinha, às 8:30 da manhã, com uma agulha mais grossa, numa seringa fininha.

Não podia ser outra caneta? É que o aspeto muda tudo!

Com os nervos, ou com o sono, ao tirar a proteção da agulha espetei-a logo num dedo! Dor de dedo e seringa e conteúdo inutilizáveis. 10€ para o lixo. Bye bye!

Amanhã faço tudo direitinho.

Sabiam que hoje já vim trabalhar??

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Preservação de ovócitos

Acabei de me auto-injetar e ainda estou em choque.

Ontem estava nos provadores da Mango a experimentar mais umas blusinhas, quando me ligou o médico que me acompanha. Deu-me luz verde para avançar com os procedimentos para a preservação dos meus ovócitos, pois tinha ficado de consultar a equipa oncológica.


Para quem não sabe, a quimioterapia e a radioterapia têm um risco muito elevado na fertilidade da mulher, podendo-a deixar infértil ou provocando-lhe uma menopausa precoce. O médico alertou-me logo, logo para este facto, mal me disse que teria de fazer estes tratamentos.
Vai daí, comecei a tentar perceber o que poderia fazer para contornar esta situação. Falaram-me que a maternidade (MAC) tinha uma unidade de fertilidade e fui lá pedir informações.

Conclusão:
Há 3 métodos de preservação possíveis.

1. O mais comum para já e o que eu vou fazer. Consiste em estimular os ovários para produzir mais ovócitos e de seguida retirá-los e passar ao congelamento, durante uns anos. No meu caso, em que o meu tumor era hormonodependente, vai-me ser dado um medicamento para que as minhas hormonas não subam.

2. Retirar os ovócitos (folículos) ainda que verdes, amadurecê-los in vitrio e depois o congelamento. Não há qualquer tipo de estimulação ao contrário do anterior. (faz-se apenas no privado)

3. Criopreservação de tecido do ovário. Ainda é um processo experimental, pois é tão recente que ainda não há muitos casos de estudo para criar uma estatística. Muito sucintamente, é retirado um pedaço do ovário, que é congelado, e quando for necessário será implantado de novo na mulher e depois de irrigado normalmente, dará origem a ovócitos sãos (que nunca levaram com quimio ou radioterapia). Sei que se faz na Universidade de Coimbra.


Ontem mal soube que podia começar, liguei para a dra. da maternidade que me mandou ir, à noite, lá, pois estaria de banco e assim iniciaríamos o processo mais rápido.
Depois de gastar cerca de 200€ em medicação (sim, é muito e ainda não é o tratamento completo) hoje fui aprender a administrar os injetáveis.
A minha mãe foi a primeira a dizer que não me ajudava nesse processo. Tal como eu, agulhas e afins não é o seu forte. mr.Bono ofereceu-se logo para me dar as injeções porque diz que já costuma dar a insulina à labradora dele... Espetáculo!

No entanto, mr.Bono atrasou-se e eu, enchi-me de força, gelo pra barriga, alccol pra desinfetar e pumbas espetei a dita cuja na banhoca da barriga, enquanto a minha mãe andava toda nervosa a arrumar a mesa só para não me ver a fazer aquilo.

Já está. Fui valente.
Só faltam mais 11.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

1º passo

Não foi tão curto quanto pedi... mas a cabeleireira já me disse para voltar na altura da quimio, que me faz um corte hiper mega curto, em vez de rapar. E não pago, até nisto estou isenta :P

Fresca e fofa com cabelo e blusa novos.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Coiffeur


A minha mãe tem sido os meus braços.
Estou uma princesa, que ela não me deixa fazer nada.
É estranho estar na minha casa e estar ela a cozinhar, arrumar, limpar, lavar... 

E lavar o cabelo???
Tem sido um fartote de rir. A minha mãe a tentar lavar-me o cabelo, molhamos tudo menos o cabelo. 
Amanhã o assunto fica resolvido. Ou facilitado.

Shopping

Extrair o vermezinho da mama fez com que tivesse de adaptar o meu guarda roupa.
No domingo, depois da consulta, passamos pelo Chiado, em busca de blusas com botões. É incrível que uma pequena cirurgia tenha condicionado a forma de me vestir e movimentar. 
Basicamente, nada do que tenho servia, porque quase todas as blusas com botões que tinha mandei-as coser para ficarem abertas só até ao peito. Tirando a camisa de ganga e uma blusa básica branca...

A zara não tinha nadinha.
A Massimo Dutti também não.
Ainda passei na nike e morri de amores por tudo, mas pronto, não vale a pena comprar nada para o próximo ano...
Salvei-me na Stradivarius e na Pull&Bear, quem diria...
Trouxe estas fofinhas.

Tudo sensivelmente por 40€, benditos saldos...

E soutiens? Só de desporto, sem aros e a apertar à frente, durante os próximos tempos, noite incluída...

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Serviço nacional de saúde

Todo o mundo se queixa do nosso SNS.
Que pagamos impostos e os mesmos não revertem a nosso favor.
Pois bem que, eu, L. das horas, venho aqui demonstrar como isso não é bem assim... 

30 maio - Ecografia no privado. 1ª suspeita.
2 junho - consulta no privado. Encaminharam-me para o público.

16 junho - 1ª consulta em S. José (como o médico ia 2 semanas de férias, só saberia alguma coisa a 14 de julho)
22 junho - biópsia e ressonância magnética.
26 junho - o médico liga a dizer que conseguiu o resultado dos exames anets de ir de férias (só 3 dias depois de os ter feito...)
27 junho - 2ª consulta em S. José. A confirmação do tumor malígno. Cirurgia marcada para dia 17 julho.
30 junho - vou à MAC saber informações sobre a preservação ovárica. Abrem-me processo e faço logo exames.
2 julho - pré-operatórios (raio-x ao tórax, eletrocardiograma e análises) e consulta de anestesia.
11 julho - volto à MAC. Consulta de anestesia. Análises.
14 julho - 3ª consulta em S. José.
             - internamento para cirurgia (que foi adiantada 2 dias).
15 julho - cirurgia.
20 julho - 4ª consulta. Estou a cicatrizar tão bem que a quimioterapia prevista para setembro já poderá começar daqui a 3 semanas... sempre a mudarem-me os planos!!! Mais rápido começa, mais rápido acaba. 

Tenho já consulta marcada para a próxima sexta feira. E os resultados do tumor extraído saem daqui a uma semana.
Mais rápido que isto, realmente, não podia ser.

Sobre o meu internamento (de 4 dias) só tenho coisas boas a apontar.
Fui muito bem recebida, as instalações embora gigantes e antigas (26 camas é verdade...) estavam constantemente a ser limpas e o pessoal todo, desde médicos, enfermeiros, auxiliares e limpeza, foram impecáveis. Muita simpatia, muita paciência para as doentes, muita boa disposição e profissionalismo. A cama era mudada todos os dias, ou mais vezes se estivesse suja; a comida era muito boa!! Tenho  certeza que os 2 dias em jejum não compensaram o que comi nos restantes... Tive direito a escolher se queria carne ou peixe ou se queria fruta crua ou assada, em todas as refeições; tive fisioterapia para o meu braço todos os dias que lá estive e disponibilizaram-se para me ensinar a massajar as cicatrizes, daqui para a frente.

Gostei de lá estar.
Fui extremamente bem tratada.

E os azulejos nas paredes? Lindos! Ajudaram a estar sempre bem disposta ;)

Momentos instahospitalres :P



Sabiam que só a quimioterapia custa aproximadamente 36.000€ por doente?
Nenhum doente oncológico paga o que quer que seja. Nem sequer taxas moderadoras...


Esta foi a minha experiência, não quer dizer que sejam todas assim...

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Notícias das boas!


Parece que esta coisa da cirurgia correu muito bem. 
Na verdade não custou nada. No meio disto tudo, o que me custou mais foram as injeções para a tromboembolia que levei na barriga. Raio das bichas ficam a doer! Estou a ver se hoje não ma dão...

A anestesia foi uma desilusão. Não houve contagem decrescente, nem estrelinhas, nem unicórnios azuis... limitei-me a dizer "já me injetaram qualquer coisa, está tudo à roda... " e adormeci. Sonhei com praia e festivais de verão! E 2h depois já estava lúcida... uma desilusão eheheh.
No recobro só se tem direito a uma visita. Claro que só poderia ser a minha mãe! Vinha tão gira no vestido feito com o tecido que a minha irmã mandou da Indonésia. Mas mr.Bono, não contente, lá conseguiu dissuadir a rececionista, um enfermeiro e o auxiliar, que mo anunciou. Lá vinha ele todo contente, com fogaças da Vila da Feira para eu comer... mas eu estava a soro. Que trengo...
Saí do recobro ao fim da tarde. E andei pelo meu pé, nas idas à casa de banho, para fazer xixi azul. 2 dias a mijar à porto. Mas já acabou a brincadeira do azul.
Não tenho dores. Desde ontem de manhã que não tomo analgésicos. Estava mais aflita da mão por onde levava o soro do que do braço da cirurgia. Ontem ralharam-me por estar a dar à manivela da cama com ele...
E a melhor das notícias? Os meus gânglios estão tão bons que ficaram cá todos! Pimbas!
A foto é de ontem, 1o dia após a cirurgia.

domingo, 13 de julho de 2014

Estragam-me com mimos

Sinto-me criança.
Ou melhor, estou a ser tratada como uma criança com gripe.

Os meus pais chegaram ontem das férias e com eles trouxeram (para mim) dois dos meus perfumes favoritos, dois conjuntos de vernizes e ainda umas calças baggy de algodão, estampadas.
Ainda traziam uma blusa verde menta que a Sof me enviou por eles.
A minha prima ainda me deu um terço, que passou por Fátima, e não sendo muito crente, achou que mal não iria fazer. "Um terço???!" - disse eu... mas está bem, é bonito e vai ficar na mesinha de cabeceira. Acho que ainda vou ter momentos de desespero e pode ser que me dê jeito :P


Está mesmo quase o dia em que inicio este longo processo.
Olho para trás neste mês e meio e vejo que fui grande. Trabalhei que nem uma maluca (em 2 sítios...), consegui conjugar isso com as manhãs inteiras nos hospitais, com exames e consultas, com perguntas e muitas dúvidas... com idas à maternidade (mac) para tratar da preservação dos meus ovócitos (mas isso é assunto para outro post...). 

Eu, que não era uma pessoa desenrascada, não era mesmo, nestes anos de Lisboa (que já são quase 5...) tornei-me uma valente. Vou a qualquer sítio, falo com qualquer pessoa, pergunto quando não sei, um, duas ou três vezes se for preciso. Telefono para tantos sítios... ainda não gosto, mas já faço com mais naturalidade.


Agora vou acabar um trabalhinho... que isto não é só boa vida!

Daqui a uns dias volto para dar boas notícias.



p.s. - esqueci-me do mr.Bono que também me ofereceu uma mesinha para o portátil (aquela na imagem de cima), daquelas com almofada por baixo para quando se está na cama :) queria uma há tanto tempo!

sábado, 12 de julho de 2014

Weekend


Está bom tempo, bora prá praia!
Mais logo chegam os meus pais.
E segunda, vou dormir ao Hotel de Santo António dos Capuchos.
Hei-de vir de lá mais levezinha!

Bom fim de semana!

quinta-feira, 10 de julho de 2014

New beginnings

Vou mudar de casa.
No fim do mês, lá hei-de "contratar" uns amiguinhos para me fazerem as mudanças, visto não poder fazer esforços nos próximos tempos.

Na verdade, esta coisa toda que me está a acontecer já me está a mudar a vida.
Na verdade, não me via a passar por este processo todo na casa onde estava, sem o devido conforto, limpeza, privacidade... a casa é muito boa para pessoas saudáveis, que gostem de confusão, barulho e gente sempre a entrar e a sair. E acho que não é isso que vou querer. 
Na verdade, a situation só veio ajudar a tomar a decisão.
Mudar de casa já eu queria há muito tempo.

Para quem se está a perguntar se me mudei com o meu mr.Bono, a resposta é: não.
Acho que antecipar uma coisa apenas pela minha condição futura não seria a decisão correta.
Ele já me vai ajudar tanto (que já tem ajudado e muito) que não o quero sobrecarregar. Acho que vamos continuar a ser saudáveis assim, doutra maneira não tenho certeza.

Vou com a minha amiga.
Se pensar bem é a minha amiga mais antiga (tirando as minhas primas). De infância.
Já deviamos ter ido morar juntas quando ela veio, mas eu, estupidamente, não pensei bem nisso.

E vamos ter esta vista...

terça-feira, 8 de julho de 2014

Sobre as minhotas. Sobre mim.

"Rumo ao Norte sempre como quem regressa a casa. À terra. Ao Minho. Ao meu Minho. Àquelas expressões da minha avó ["estou barada, filha, estou barada!"], a pronúncia que é música, acordeão e realejo, cantigas à desgarrada. Uma alegria na voz mesmo com o luto no corpo, um entusiasmo nos olhos mesmo com a dor na alma. As mulheres do Minho são assim, têm a alma vestida de mangas arregaçadas."



Cai-me que nem uma luva.
Obrigada Inspired pela dica.

Quando? Desculpe?

Há pouco ligaram-me do hospital.


"Bom dia. Era para confirmar a cirurgia..."

"Sim, sim, sou eu mesma que vou à faca."

"Pronto, então apareça cá 2ª ao meio dia, para ser operada na 3ª."

"Errrrr... não... não é 2ª... 2ª tenho só consulta. Operação é só 5ª. Entro na 4ª..."

"5ª? Não... 3ª... entra na 2ª."

"Não, mas está maracada para 5ª..."

"Foi mudada."


Ai foi mudada? E então é suposto eu adivinhar certo?
Andei a planear o meu trabalho, a contar, ainda, com 2ª e 3ª...
E a contar esclarecer dúvidas com o médico na 2ª...
Ta bem.

E assinar o consentimento? É que era 2ª...

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Os amigos e as reações

Se for um assim, acho que aceito.



Noivo: "Xiiii, vais estar toda enjoada no casamento... se calhar vou ter que te pôr um balde ao lado da mesa (...) e depois vais ter o cabelo todo a cair no prato!

Isto, enquanto conversávamos sobre os tratamentos, que vão começar na altura do casamento.





A verdade é que passei o dia a rir-me às gargalhadas sempre que me lembrava dele a dizer isto, com uma naturalidade e um ar de brincadeira geniais. 

No dramas. Love it.


sexta-feira, 4 de julho de 2014

As amigas e as reações

A.: " Fuck.
Olha miúda.
Se alguma coisa terá de acontecer ao teu cabelo, eu faço contigo. Divinas.
(...)
Não sou tola. Estou a falar a sério 100%
É fácil nos rapazes, para nós é que é complicado!
Juntas é melhor!"


Tenho as melhores amigas do mundo.

P.S. - Eu sei que o português está estranho, mas não é português, é portunhol...

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Neoplasia da mama

O resultado saiu.
Felizmente, o médico foi muito atencioso e, antes de ir de férias, fez questão de deixar o meu assunto arrumado. O resultado que seria para dia 14 de julho, saiu há precisamente uma semana.
Há uma semana o médico ligou-me e pediu para ir falar com ele no dia seguinte.

Tal como ele me havia dito, havia o risco de ter que ir à faca e ficar sem a minha maminha, para além de todos os tratamentos terminados em terapia...
Fui à consulta a contar com isso. mr.Bono mais fofo do mundo acompanhou-me.
Não disse nada aos meus pais para os deixar ir de férias desacandos e esse era o meu grande segredo. Não é facil omitir uma notícia destas aos meus pais.

Neoplasia da mama direita é o que eu tenho. 
As pessoas normalmente chamam-lhe cancro da mama. Mas prefiro a neoplasia, causa menos drama nas pessoas. A palavra cancro tornou-se dramática demais para o meu gosto.
Como já tinha assumido essa realidade, à partida, não foi um grande choque.
"Ok. Tenho. Vamos tratar. Como fazemos dr.?"
Enquanto fazia estas perguntas, mr.Bono, ao meu lado quase desfalecia, coisa que nem reparei, pois o pobre coitado não emitiu qualquer som.

Há notícias boas? Há sim senhora. E pra mim pareciam-me as melhores do mundo.
Os meus ganglios da axila não tem metástases, o que quer dizer que a mama não sai toda, e saí apenas o pequeno verme que nela habita. Grande sorriso que fiz.

Os tratamentos? Xi my god que são tantos... Esta luta vai durar. 
Mas cá estamos para lutar.


Ontem recebi uma carta de uma das pessoas com quem travei amizade nesta blogosfera.
Uma carta cheia de revelações, não é grande b.?
Com ele vinha esta pulseira, que não demorei a pôr no pulso. Dá sorte? Nem interessa, neste momento tudo o que possa ajudar-me nesta fase difícil vou fazer. Obrigada!

Recebi a carta e pensei.
"Ok. Amanhã vou abrir o jogo. Já contei aos pais há 2 dias, já não há motivo para não contar".

A saber que daqui a 15 dias, a esta hora, já o maldito se foi e estarei a dormir sob o efeito dos sedativos que me vão dar no pós-operatório. Vou pedir para me darem muitos para recuperar o meu sono.


A toda a gente que torceu por mim, muito obrigada, pois poderia ser muito pior.
Sinto-me bem, positiva. Neste momento, ainda sou eu que consolo as pessoas a quem vou contando. Como o meu housemate que foi chorar para a casa de banho, depois de lhe ter contado.

Questionei-me acerca do blog. Vai deixar de ser só coisas boas, como tem sido até aqui, mas não vai acabar. Vai acompanhar esta nova fase, vou tentar fazê-lo de forma positiva e especialmente informativa! Não sou, nem serei a única a ter isto, com 28 anos...

Um beijo.