sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Fucktastic

Hoje estranho-me.
Estou com um mau humor que só acontece de 5 em 5 anos.
E pelos visto é hoje o dia.


Tenho andado a acumular uma data de situações que me começam a irritar profundamente.
Precisava de hibernar uma semana.
Hoje só saio do ginásio à hora de fecho...


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Oreo e baunilha

Hoje, depois do almoço, fui à Nannarella comer um geladinho é que ontem treinei durante duas horas e não pode ser... não posso ficar podre de boa, senão depois não tenho motivação para continuar a treinar...


Caso não conheçam a gelataria, fiquem a saber que os gelati, os sorbetti e as specialità são maravilhosos. Os donos são um casal italiano, de Roma, e fazem os gelados de forma artesanal, com produtos frescos e portugueses, vindos do mercado da ribeira.
As doses são muito bem servidas e o preço não é uma exorbitância.

O espaço é constituído apenas pela zona de confecção e de atendimento, logo, não dá para sentar e comer, mas mesmo em frente está o largo da Assembleia da República, com bancos.


Provem o gelado de oreo, é brutal(mente calórico)!
mr.Bono provou um com chocolate pantagruel e adorou.



imagens do TripAdvisor.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

sunny smile


É de mim, ou está mesmo um dia fantástico?

knock knock

Ontem estava ao telefone com o meu mr.Bono, meia a reclamar por ele não me ter perguntado se queria ir com ele pra casa (que sexta feira vai 10 dias para a neve e a moura fica a trabalhar...) e comecei a ouvir um barulhinho estranho...

Mas como já era meia noite e estava metida na cama não liguei.
Pensei: "deve ser o meu housemate no quarto..." - e continuei a falar. 
Voltei a ouvir.
E pensei: "se calhar é o vizinho de cima..."

Mas continuava a ouvir um "toc"... "tac"...

E de repente, fez-se luz!!!
"mr.Bono, és tu que estás a atirar pedras à minha janela????"
Ele riu-se.
E eu dormi muito melhor.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Tomorrow's breakfast

E como estou a precisar de energias positivas, hoje, depois do trabalho, já era tarde para ginásio, vim para casa fazer uma coisa que queria fazer há algum tempo.
Normalmente, quando tenho planos para fazer alguma receita nova não tenho os ingredientes todos. Mas em vez de ir ao supermercado e comprar tudo de uma vez, com um lista na mão, vou comprando, aos bocados, nas compras do dia-a-dia.

Comecei por ver se tinha tudo. 
Faltava-me apenas o óleo mas, como não usamos cá em casa e achei dispensável, pus mãos à obra. 

Comecei por juntar os ingredientes secos.
Depois juntei-lhes o mel e a clara de ovo.

Espalhei no tabuleiro e foi ao forno.
Comecei a preparar a fruta. 
Cortar, raspar a laranja e juntar o sumo e por fim levar ao frigorífico.
Tirei a grânola do forno, já douradinha.
Comecei a preparar os copos.

Não estão tão bonitos como os da Claire Thomas, mas acho que me vão saber bem.
E a grânola que sobrou vai fazer companhia a iogurte para os lanches.

Coisas. Daquelas.

Hoje tinha-me dado ter, algum dia, lido isto (ponto 3, especificamente).


Com 28 anos deparei-me com um compak e juro que parecia um burro a olhar para um palácio.
Deitei-o fora porque não percebi como se usava... 

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Ser avô

Ser avô é ser pai duas vezes.
Foi isto que o meu avô me ensinou há muito tempo e eu só posso concordar.


Quando nasci, já os meus pais viviam com os meus avós. Quase tudo o que recordo da minha infância tem que ver com os meus avós. Há uns dias, a minha irmã dizia-me, do outro lado do mundo: "O avô era a pessoa que eu mais admirava e seguia como modelo. Foi ele que me ensinou tudo" - e eu, não posso estar mais de acordo.

Lembro-me de ser pequena e ser o avô a pentear e secar o meu cabelo, sempre que tomava banho. Fazia-me a risca ao lado, muito certinha, com um pente verde. Era no avô que me enrolava todas as noites no sofá, com os pés debaixo das pernas dele e as mãos à volta do seus braços. Aquecia-me assim. Era no cabelo cinzento e macio do avô que eu adorava fazer cristas e ele não se chateava nada. 
O avô ensinou-nos a falar bem, mas comigo teve mais trabalho. A minha irmã, antes de entrar na escola já sabia ler palavras. Também já sabia fazer diálogos em inglês, aquilo do what's your name e por aí adiante.

Quando já andávamos na preparatória, foi o avô que nos ensinou as capitais dos países e a sua história. Estes eram os pontos fortes dele. Felizmente alguém lhe herdou esse gosto. Não fui eu, mas é pena.
O avô tinha sempre respostas. Não me lembro de alguma vez me ter dito que não sabia alguma coisa. Se não sabia, ia procurar nas dezenas de livros que tinha. Era a ele que perguntávamos sempre alguma coisa sobre saúde. Foi enfermeiro e os anos de experiência já eram muitos. Sabia sempre a causa e o tratamento a fazer. Era comum ouvir um "faz de conta que é em mim", quando dizia que me doía alguma coisa, ou um "incha, desincha e passa", quando não havia nada a fazer.

O avô tinha sempre um ditado ou uma expressão para todas as situações. Muitas delas que eu continuo a usar. É uma maneira de continuar a viver com ele.

O avô sempre se preocupou com o facto de eu ser um pisco e comer pouco. Nos dias de hoje, que já não sou pisco, ainda me perguntava ao telefone se andava a alimentar-me bem ou se não passava frio. Preocupação de avô. Dizia-me sempre: "não andes de noite, que está muito frio". E eu nunca lhe contava se estava constipada ou com gripe, só para não o preocupar.

Era conhecido por ser um durão, não tivesse ele sido polícia, mas na verdade toda a gente gostava dele. Tinha um bom feitio invejável. Nunca deu trabalho aos outros e estava sempre pronto a ensinar e ajudar. Os meus amigos gostavam dele. Tinha sempre histórias para contar a toda a gente. Histórias de quem viveu durante a 2ª guerra mundial, de quem viveu em Moçambique, em Lisboa, em Guimarães, em Évora, antes de regressar à cidade natal. Por tudo isto, o meu avô deixou espalhados muitos amigos. Amigos a sério com quem conseguiu manter contacto até hoje. E sem internet. 

Era muito fácil gostar do meu avô.
Agora conto com ele para olhar por nós e nos continuar a guiar, onde quer que esteja.

Obrigada avô, foste o melhor do (meu) mundo.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Run for your life

Diz que, agora, em vez de correr seguido faço 10 sprints de 200m à velocidade de 12km/h com intervalos de 1min. a andar, terminando com 10/15min. de corrida contínua.

E ontem já piquei o ponto.
Um obrigada ao Ryan pela motivação.


terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

A resposta ao post de ontem...

Sou estúpida e boicotei a avaliação... não é que fui comer uma banana e um iogurte a pensar que ia treinar normalmente?? A sério, só eu...


Queria que a massa gorda tivesse diminuído? Pois bem, aumentou 0,5% e nunca vou saber se foi do lanche ou não... No entanto, e nem tudo é mau.

- Diminuí 1cm na anca, 1cm à volta do umbigo e 0,5 na cintura;
- Os problemas de postura melhoraram;
-Melhorei na flexibilidade;

Hoje começo o treino novo, mas já sei que não vai ser ao meu gosto...
Diz o monitor que antes de querer ser forte, tenho de ser mais flexível e ganhar resistência...

...que seja.


Está bem, Ryan, if you say...

O post que não postei ontem não sei porquê...

Logo vou fazer a minha avaliação para mudar de treino.
Sabendo que na semana passada não pus os pés no ginásio e que nos últimos 4 fins de semana estive em casa dos papás a comer bem... só espero não ter piorado em relação ao que fiz em Dezembro (ver aqui).

Com um bocado de sorte continuo com excesso de peso. 
Só queria ter reduzido a massa gorda. Só isso.


mr.Bono já me esteve a dizer que em 2 meses não se muda assim tanta coisa, para não estar com muitas expectativas. Com namorados destes...



segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Como trabalhei pouco esta semana...






... bora acordar cedinho ao sábado de manhã para acabar o que não deu para acabar numa semana de 53 horas.

Estas horas todas sentada, somado com nenhuma ida ao ginásio, deram-me uma dor na anca.
Só pode ser da idade.



Bom dia!
Bom fim de semana!

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Mãos à obra.


Bom fim de semana!
Deste lado vamos rumar a norte. Outra vez.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Cross fingers

Hoje ao meio dia já tinha cumprido as minhas 40 horas semanais.
Mas não, não fui de fim de semana.

Estou com uma constipação que não me aguento.
O nariz pinga, os pés e as mãos estão gelados e já não tenho o meu homenzinho para me aquecer.

Queria hibernar e voltar nas férias de verão.


Divagando. Sobre mim. Coisa longa.

Eu conheço os meus defeitos.
Tenho consciência deles, é ótimo.

Sei muito bem que sou demasiado critica com as pessoas, especialmente com aquelas que me são mais próximas e queridas.
E normalmente digo-lhes o que acho. 
Na minha ideia, paninhos quentes nunca fizeram nada andar para a frente.
Se houver o "choque", quando se ouve, talvez se tenha motivação para mudar.


Eu corrijo a minha polaca sempre, ou quase, que ela fala mal. Quero, com isto, que ela aprenda a falar melhor e não dê erros. Quero que ela seja melhor.
E tal como a corrijo a ela, que é estrangeira, como corrijo os portugueses. Tenho a mania do português.

Durante anos, azucrinei a cabeça da minha irmã para que ela comesse menos; para que fizesse desporto; para que fosse mais segura de si. E sempre lho disse, sempre a olhei com olhos recriminadores quando comia demais. Queria que ela se sentisse melhor.
No fundo acho que queria que ela fosse mais parecida comigo.
Mesmo agora, que está do outro lado do mundo, enviei-lhe o meu plano do ginásio para fazer também...

A minha "irmã de casa", que viveu 6 anos comigo, tenho a certeza que sofreu também. Não posso ser tão específica, mas sei que sim. Mas sempre nos demos bem, que ela sempre teve paciência para mim. 
Ainda há dias me disse que trocava a colega de casa atual, por mim. Pena ser no Rio de Janeiro...

Eu sou crítica comigo também. Sou perfecionista. Busto o máximo de perfeição nas coisas que faço. Recrimino-me quando não estou ao melhor nível.
Sempre fui excelente aluna; Sempre fui das melhores lá no meu folclore; Sempre gostei de chamar a atenção por boas razões e sempre tive essa atenção por parte das pessoas, aos mais diferentes níveis.
Sou perfeita? Não. Mas tento.


Agora, o grave é o meu mr.Bono dizer que eu sou muito crítica com ele e eu não me aperceber disso.
Fala bem, logo, não é pelo português;
Está em forma, logo, não é por comer demais ou não fazer desporto;
Trata-me bem, logo, não é nada relacionado com isso.
Diz que sempre que diz algo eu digo que não é assim, mas ao contrário... como é que eu não me apercebi disto? Bolas, sei que tenho esse defeito, devia conseguir controlá-lo.

Ele não se queixou, diz que sabe que sou assim mas que às vezes é irritante.
Não quero ser assim, irritante.
Não.



quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Embrulha.

Estive toda a tarde a ouvir música, a bombar, pois achava que hoje ia conseguir ir.


Conclusão:

Tenho uma dor de cabeça tremenda;
São 20:05h e ainda não acabei coisas que são para hoje;
Logo, não fui ao ginásio.

Tasse bem.

I hope

Esta semana ainda não consegui ir ao ginásio porque tenho saído do trabalho tardíssimo.



Esta tarde vou por esta imagem no meu 2º monitor. 
Acho que só de olhar já sinto os abdominais a trabalhar... 

Haja esperança...

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Discussões com chuva

Tenho ouvido tantos casais na rua a discutir.
E alto, caramba, ouve-se a conversa toda, até dá para escolher quem acho que tem razão.
Hoje foi um casal na casa dos 30, atrás de mim na passadeira.
Ele dizia: "De certeza que não estás a ouvir o que estás a dizer"; ela continuava a discussão e ele voltava a dizer: "Nem te estás a ouvir. Ouve o que estás a dizer...".

Depois foi no autocarro. 
Um casal nos 60 anos. Se calhar já fartos um do outro. 
Um discussão por mal entendidos, imagine-se, por causa do horário dos transportes.
Ela dizia: "Mas tu disseste que era a X horas do lado de lá e não é."; e ele repondia "Não, eu disse X aqui e Y ali"; e ela voltava "Mas não é às X aqui, é às X do outro lado".
E ela sentou-se e ele deixou-se ficar a pé. 
E continuaram com a conversa ping-pong.




É do tempo gente? Será desta chuva?


Faz-me lembrar as minhas anteriores relações, principalmente a primeira e mais longa. 
Passei anos a discutir. Que canseira! 
E por isso, detesto ouvir casais a discutir, por coisas parvas, ainda mais.
Aprendi que, realmente, tem que se ter paciência, mas mais importante, ainda, saber lidar e aceitar os defeitos da outra pessoa. 
Se não conseguimos aceitá-los, então essa não é a pessoa certa.

Tenho dito.

Divagando

O meu ex-ex-coiso foi pai há quase um ano.

O meu ex-coiso (soube ontem) vai ser pai.



Acho que darei um tia fantástica.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Cheirinho a Dublin - dia 1

Ainda alguém se lembra disto?
Arranjei tempo no fim de semana e fiz o resumo do 1º dia da viagem.
A nossa casa. Uma das zonas mais novas que nasceu das antigas fábricas.
Quem vai a Roma sê romano. Irish Breakfast, tirando a morcela ficou aprovado.

Henry Street - ótima para compras
Algumas das 15 pontes (pelo menos foi o que li) do rio Liffey, que corta Dublin ao meio formando "duas cidades" bem diferentes tanto a nível cultural como económico.

Estúdio (agora abandonado) onde os U2 gravaram o seu 1º álbum. mr.Bono super fã, tinha a t-shirt deles vestida.

Zona de Temple Bar. Só pubs. Comer e beber cerveja.

O Castelo de Dublin, que de castelo tinha mesmo pouco.

E enquanto as mulherzinhas andavam às compras, os machos foram fazer coisas de machos.

E depois do frio que apanhamos, 4ºC no início de Novembro, passamos a 1ª noite em casa, a ver filmes. 
Aproveitamos para namorar, pois os nossos amigos embarcaram nessa noite para Berlim e deixaram a casa só para nós. Muito bom.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Parfait de nozes, côco, grânola e frutos vermelhos

Há uns diascheguei a casa e estava a dar Food for thought da Claire Thomas, na sic mulher.
Adorei a receita do parfait que ela ensinou. Além disso deu para aprender a fazer grânola.
Nutritivo e com um aspeto fantástico, para experimentar de certezinha!




A receita aqui.