quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Divagando. Sobre mim. Coisa longa.

Eu conheço os meus defeitos.
Tenho consciência deles, é ótimo.

Sei muito bem que sou demasiado critica com as pessoas, especialmente com aquelas que me são mais próximas e queridas.
E normalmente digo-lhes o que acho. 
Na minha ideia, paninhos quentes nunca fizeram nada andar para a frente.
Se houver o "choque", quando se ouve, talvez se tenha motivação para mudar.


Eu corrijo a minha polaca sempre, ou quase, que ela fala mal. Quero, com isto, que ela aprenda a falar melhor e não dê erros. Quero que ela seja melhor.
E tal como a corrijo a ela, que é estrangeira, como corrijo os portugueses. Tenho a mania do português.

Durante anos, azucrinei a cabeça da minha irmã para que ela comesse menos; para que fizesse desporto; para que fosse mais segura de si. E sempre lho disse, sempre a olhei com olhos recriminadores quando comia demais. Queria que ela se sentisse melhor.
No fundo acho que queria que ela fosse mais parecida comigo.
Mesmo agora, que está do outro lado do mundo, enviei-lhe o meu plano do ginásio para fazer também...

A minha "irmã de casa", que viveu 6 anos comigo, tenho a certeza que sofreu também. Não posso ser tão específica, mas sei que sim. Mas sempre nos demos bem, que ela sempre teve paciência para mim. 
Ainda há dias me disse que trocava a colega de casa atual, por mim. Pena ser no Rio de Janeiro...

Eu sou crítica comigo também. Sou perfecionista. Busto o máximo de perfeição nas coisas que faço. Recrimino-me quando não estou ao melhor nível.
Sempre fui excelente aluna; Sempre fui das melhores lá no meu folclore; Sempre gostei de chamar a atenção por boas razões e sempre tive essa atenção por parte das pessoas, aos mais diferentes níveis.
Sou perfeita? Não. Mas tento.


Agora, o grave é o meu mr.Bono dizer que eu sou muito crítica com ele e eu não me aperceber disso.
Fala bem, logo, não é pelo português;
Está em forma, logo, não é por comer demais ou não fazer desporto;
Trata-me bem, logo, não é nada relacionado com isso.
Diz que sempre que diz algo eu digo que não é assim, mas ao contrário... como é que eu não me apercebi disto? Bolas, sei que tenho esse defeito, devia conseguir controlá-lo.

Ele não se queixou, diz que sabe que sou assim mas que às vezes é irritante.
Não quero ser assim, irritante.
Não.



13 comentários:

Maria disse...

depende apenas de ti mudar um bocadinho :)

Inspired disse...

Lembro-me bem de assistir a isso com a A., a tua "irmã de casa"! :)
Não te apercebeste com o Mr. Bono mas vais andar mais atenta e vais tentar corrigir-te! :) That's life! :)

Alexas disse...

Somos algo semelhantes. O aGónis muitas vezes diz que sou Insensível e diz que em vez de coração tenho pedra, mas tb sou da tua opinião "paninhos quentes é que não. Ou diz-se ou diz-se". E tenho consciência que por vezes sou bruta, e reconheço. Como tal, tem muitas vezes que tenho que pensar 1001 vez antes de agir e dizer algo, mas tem vezes, como acontece contigo, que não tenho consciência. Se a pessoa não chama atenção, por mim está tudo bem. (dps acabo por pedir desculpa, claro)

Inspired disse...

Mas nunca te esqueças que ninguém é perfeito! (nem é isso que se pretende...)

disse...

Revi-me em muito do que disseste. Também eu tenho consciência de que por vezes tenho um feito complicado, porque sou uma pessoa muito frontal. Umas coisas vou tentando atenuar, porque nem toda a gente tem estofo para isso, mas outras nem sequer me apercebo.....
Sim, é complicado :).

Jo disse...

Às vezes também sou assim...

Tenta estar mais atenta a essa situação com ele. Não que tenhas que mudar quem és ou qualquer coisa do género, mas pelo menos ficas a saber do que ele está a falar e, se assim o entenderes, fazes esse esforço para não seres "irritante".

L. das horas disse...

Sim Jo, é exatamente isso que pretendo fazer. Não quero ser uma namorada irritante...

Anaa disse...

Eu entendo isso. Eu sou muito prefeccionista, mais comigo do que com os outros, mas entendo essa tendência para corrigir. Mas digo, por experiência própria, que por muito boa intenção que a pessoa tenha pode ser irritante ou, pior, ter o efeito oposto. Claro que o tom de voz e outros factores também contam muito.

Eu, por exemplo, fui uma pré-adolescente gorda. Entretanto na adolescência emagreci e hoje já não tenho esse problema, mas a minha mãe faz-me muitas vezes reparos para eu ter cuidado com a alimentação quando me vê a comer alguma porcaria ou diz-me se acha que estou mais gorda e isso fez com que eu me tenha fartado tanto que houve uma altura em que subconscientemente já ignorava tudo o que ela me dizia e comia ainda mais porcarias mas sem ela ver para não me aborrecer. Ás vezes a pressão de ter alguém sempre a avaliar e a corrigir ajuda, outras vezes é pior, depende do tipo de pessoa e do tipo de "defeito".

Ana Lau disse...

deixa lá... eu sei que é terrivel ser irritante, mas as tantas ele ate gosta :P
eu n tenho jeito nenhum para relações, nem mediação das mesmas, mas tb tenho as minhas manias e até agora à quem viva relativamente bem com elas :P

Miss Memories disse...

Não és irritante, certamente, essa foi uma expressão que ele usou da boca pra fora. Depois de ganharmos alguma confiança com alguém, torna-se mais fácil "criticar", sugerir, comentar (...) e deve ser isso que fazes com ele. Não te aborreças com isso. Faz parte de ti, embora às vezes tenhamos que nos adaptar à outra pessoa...

PinUp Me disse...

Às vezes precisamos de um abanão, de coisas que certamente nunca nos aperceberíamos caso ninguém nos tivesse dito. Não o leves a mal, encara isso como uma coisa a melhorar (não sou apologista de mudar). Faz parte de ti e só tens de o ensinar a reagir com os teus defeitos e qualidades.

Dora disse...

Eu também sempre tive a mania do português e de corrigir os outros. Nunca mudo. E também sou critica com algumas coisas e digo na cara; o que não cai bem às pessoas.

Raven disse...

Disseste que querias que a tua irmã fosse mais parecida contigo. Talvez estejas a fazer o mesmo com ele, tentar aproxima-lo do teu estereotipo. Tens de deixar os outros tomarem o seu rumo, ainda que seja oposto ao teu ou te desiludam. Cada pessoa é um Mundo.